quarta-feira, 28 de abril de 2010

A liberdade e os direitos do apóstolo Paulo



Eu sou um apóstolo ,m mensageiro de Deus,e não é a um mero homem que eu tenho de prestar contas.Sou alguém, que realmente viu Jesus,com os próprios olhos.E as vidas transformadas de vocês são o resultado do meu árduo trabalho para Deus.Se na opinião dos outros eu não sou apóstolo certamente que o sou para vocês,pois vocês foram ganhos para Cristo por meu intermédio.Essa é a minha resposta para aqueles que questionam os meus direitos.


Ou será que eu não tenho direito algum?Será que não posso pretender o mesmo privilégio dos outros apóstolos,o de ser hóspede na casa de vocês,se eu tivesse uma esposa e ela fosse uma crente,eu não poderia levá-la nessas viagens,tal como fazem os outros discípulos e como fazem os irmãos do Senhor?


Será que só eu e Barnabé devemos continuar a trabalhar pelo nosso sustento,enquanto vocês mantêm esses outros?Qual o soldado no exército têm de pagar as suas próprias despesas?Vocês já ouviram falar de um lavrador que faça a sua colheita e não tenha o direito de comer parte dela?Qual o pastor que toma conta de um rebanho de ovelhas e vacas,e não tem permissão de tomar seu leite?


Não estou simplesmente citando as opiniões dos homens quanto aquilo que está certo.Estou-lhes dizendo o que a lei de Deus diz.Na Lei que Deus deu à Moisés,Ele disse que não se deve pôr mordaça ao boi para impedir aquele coma.quando está trilhando o trigo.Vocês acham que Deus estava só pensando nos bois quando disse isso?Será que Ele não estava pensando em nós também?


Naturalmente que sim.Ele disse isso para mostrar-nos que os obreiros cristãos devem ser pagos por aqueles a quem ajudam.Aqueles que aram e debulham,devem esperar receber parte da colheita.


Nós temos plantado boa semente espiritual em suas almas.Será demais pedir em retribuição,o simples alimento e o vestuário?Vocês dão isso aos outros que pregam à vocês,e é justo.Mas não deveríamos nós ter ainda direito à eles?


No entanto,nunca usamos tal direito,mas atendemos as nossas próprias necessidades sem ajuda de vocês.Nunca exigimos pagamento de qualquer espécie temendo que,se o fizéssemos,vocês pudessem ficar menos interessados na nossa mensagem da parte de Cristo para vocês.


Vocês não sabem o que Deus disse aos que trabalhavam no seu templo que,dos alimentos levados ali como ofertas a Ele,tirassem uma parte para as suas próprias necessidades?E os que trabalham no altar divino,recebem uma parte do que é levado ali por aqueles que oferecem ao Senhor.Do mesmo modo o Senhor deu ordens para que,aqueles que pregam o evangelho,sejam sustentados por aqueles que o aceitam.Contudo eu nunca lhes pedi,nem ao menos um centavo.E não escrevo isso para lhes insinuar que gostaria de começar a ser pago agora.


De fato,eu preferiria morrer de fome do que perder a satisfação que encontro,em pregar a vocês sem cobrar nada.Porque justamente pregar o Evangelho não é nenhum mérito especial para mim - eu não poderia deixar de pregá-lo,mesmo se quisesse.Eu seria completamente infeliz.


Aí de mim se não o fizer!


Se eu estivesse oferecendo voluntariamente os meus serviços de minha própria e espontânea vontade,então o Senhor me daria uma recompensa especial;essa porém não é a situação,pois Deus me escolheu e me impôs esse dever sagrado,e assim não tenho escolha.Nesse caso,qual o meu pagamento?É a alegria especial que eu tenho de pregar as Boas Novas,sem despesas para ninguém e nunca exigindo os meus direitos.


E isso tem uma real vantagem:Eu não sou obrigado a obedecer a quem quer que seja só por que me paga salário;entretanto,alegre e livremente me tornei servo de todos,a fim de poder ganhá-los para Cristo.Quando eu estou com os judeus,pareço-me um deles,para que eles escutem o evangelho e eu possa ganhá-los para Cristo.Quando estou com os gentios que seguem as cerimonias e os costumes judaicos,não discuto com eles,embora não concorde,porque desejo ajudá-los.


Quando estou com os pagãos,concordo com eles tanto quanto possível,com exceção naturalmente,de que,como cristão,eu devo fazer sempre o que é correto.E assim concordando com eles,posso ganhar a sua confiança e ajudá-los também..


Quando estou com aqueles cuja consciência facilmente os inquieta,não ajo como se eu soubesse tudo e não digo que eles são tolos;o resultado é que assim eles estão dispostos a me deixar ajudá-los.


Sim,qualquer que seja o tipo de pessoa,eu procuro achar um terreno comum com ela,para que me permita falar-lhe de Cristo e permita a Cristo salvá-la.Faço isso para levar o Evangelho à eles e também pela bênção que eu próprio recebo,quando os vejo ir à Cristo.


Numa corrida todos correm,porém,só uma pessoa consegue o primeiro prêmio.Portanto,disputem sua corrida para ganhar.Para vencer a competição vocês precisam renunciar a muitas coisas que os impediriam de fazer o melhor que podem.Um atleta faz todo esse sacrifício para ganhar uma faixa azul ou uma taça de prata.Porém nós o fazemos por uma recompensa celestial que nunca perecerá.PORTANTO,EU CORRO DIRETO PARA O ALVO,COM ESSE PROPÓSITO EM CADA PASSO.


EU LUTO PARA GANHAR,NÃO ESTOU APENAS ESMURRANDO UMA SOMBRA OU CORENDO DE BRINCADEIRA.Eu castigo o meu corpo como um atleta faz,tratando-o com dureza,treinando para fazer o que deve,e não aquilo que deseja.De outro modo eu temo que,depois de ter inscrito os outros para a corrida,eu mesmo seja considerado incapaz,e me mandem ficar de lado.


1 Coríntios 9:1-27

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pediram à Deus para ajuda-los, e Ele os ajudou, porque confiaram em Deus. ( 1 Crônicas 5:20)